Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 


Guia Sindical

8986

Ultimas Noticias

17.01.2020 - Rodoviários de Porto Alegre exigem manutenção de cobradores em dissídio de 2020

Encontro reuniu dezenas de trabalhadores da empresa em frente à sede do sindicato, na Cidade Baixa

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte de Porto Alegre (Stetpoa) realizou, na noite desta quinta-feira, a primeira assembleia geral da categoria para tratar do dissídio de 2020. De acordo com o presidente da entidade, Adair da Silva, as principais reivindicações dos rodoviários são: a manutenção dos cobradores de forma obrigatória em todos horários; aumento salarial de 7% (possível 3% de ganho real); vale alimentação de R$ 27,50 para R$ 30,50 e retirada da cláusula das 4 horas de intervalo.

“O carro chefe é a manutenção dos cobradores. Não assinamos o dissídio se não tivermos essa garantia”, enfatizou. Segundo ele, também há uma complicação com o plano de saúde dos trabalhadores. “Não aceitamos a cobrança de coparticipação nas consultas. Isso teoricamente já está resolvido, mas precisamos também ter a garantia de que não haverá cobrança”, ressaltou.

A primeira assembleia geral serviu para que a direção do Stetpoa apresentasse todas as propostas à categoria. O encontro reuniu dezenas de trabalhadores das empresas de transporte da Capital em frente à sede do sindicato, localizada na rua Venâncio Aires, bairro Cidade Baixa. Os rodoviários acompanharam a assembleia na rua, em frente ao prédio. Duas faixas da Venâncio Aires chegaram a ser bloqueadas pelos trabalhadores que acompanhavam as discussões.

As propostas do Stetpoa foram definidas em reunião horas antes da assembleia geral. Após a apresentação aos rodoviários, agora o sindicato encaminhará a lista para a patronal - o Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa). O advogado do Seopa, Alceu Machado, informou que assim que o documento com as propostas for recebido, uma reunião para negociação deve ser marcada.

“Vamos trabalhar para tentar acertar o quanto antes. A nossa expectativa é ter o dissídio assinado antes do dia 1º de fevereiro, que é a data-base”, explicou. Segundo ele, a patronal não deve conceder aumento superior à inflação. Na negociação o reajuste sugerido deve ser de 4,5% a 5%, inferior à proposta da categoria. “Sabemos as dificuldades que as empresas estão e eles também sabem. Precisamos da negociação para ter o menor impacto possível”, disse.

fonte: Correio do Povo



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fone:(51)3233.3500

webmail / Todos Direitos Reservados 2012