Sintonia

REGIONAL SANTA MARIA:
O Sindicato somos todos nós

JORGE NASCIMENTO

E LAURO GÓIS (DIRETORES)

Os diretores Lauro Góis e Jorge Nascimento, da Regional de Santa Maria, têm plena consciência do porquê foram eleitos para a atual diretoria de nossa entidade. A tarefa deles é a de estarem sempre ao lado dos trabalhadores, ou seja, de não se afastarem da categoria dos radialistas, já que todos apostaram nessa direção e, por isso, a resposta a ser dada é acima de tudo, trabalho.

Vamos enumerar alguns fatos que integraram as nossas ações neste início de ano junto à nova direção. Fomos até São Pedro do Sul e juntamente com a direção da rádio Municipal São-Pedrense realizamos três produtivas reuniões. E, para solucionar o problema daqueles que estavam em situação irregular no mercado de trabalho, buscamos encaminhá-los para o curso de qualificação realizado pelo Senac. Também estivemos reunidos com a direção dos Veículos de Comunicação de Santa Maria, onde discutimos a situação da categoria na cidade. Em Julio de Castilhos fomos recebidos pela direção das Rádios 14 de Julho Am e Itapuã Fm e com eles também tratamos e discutimos a questão dos trabalhadores. Em Santiago adotamos a mesma política e encaminhamos para a Delegacia Regional do Trabalho os que estavam em situação irregular em suas empresas. Nessa cidade 14 novos radialistas se formaram e estamos trazendo novos associados para o nosso sindicato.

Apesar de todo este esforço, nem sempre podemos estar ao lado dos companheiros, quando estes se submetem às estratégias dos maus radiodifusores. Sabemos que em muitos casos o trabalhador em rádio e tv é explorado pelos patrões, trabalhando sem vínculo empregatício com as empresas. Esses patrões têm a cara-de-pau de questionar o porquê do vínculo, com o seguinte argumento: Para quê? Vais vender publicidade que é melhor, pois com uma boa venda a tua renda no final do mês aumenta.

Não bastasse esse tipo de exploração, os patrões ainda por cima ignoram a importância do nosso Registro Profissional: Para quê? Isto é bobagem, dizem sem a menor vergonha. Na opinião deles qualquer pessoa pode exercer a função de radialista, e, até mesmo a telefonista da emissora, por ter boa voz, pode vir a gravar comerciais. Há ainda casos em que jornalista estagiário é contratado como locutor iniciante, porque na opinião do dono da rádio, a sua empresa funciona como rádio-escola e, diante disso, não existe a necessidade deste estagiário fazer o curso de radialista. Enfim uma farra que não acaba mais por parte dos patrões, que parecem nem conhecer e nem respeitar a Lei nº 6.615, a Lei dos Radialistas.

Então, diante desse quadro, cabe ao Sindicato, aos diretores, aos delegados sindicais e a própria base dos trabalhadores denunciar o não cumprimento da lei e dos acordos coletivos. Levar para a DRT, Ministério Público do Trabalho e Policia Federal toda e qualquer irregularidade, pois essa é a nossa função. Procure ou ligue para a nossa Entidade, afinal o Sindicato somos todos nós, e aí, unidos, poderemos enfrentar o gigante patronal que explora e com isso vamos conquistar os nossos direitos que a Lei nº 6615 e os acordos coletivos visam.

Estamos a tua disposição através da nossa regional, afinal fomos eleitos para lutar por ti companheiro radialista.